Os Mistérios da Magia

Página Anterior Mande-nos um e-mail Imprimir

Clique na letra desejada:


A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z

S

Sabá.  Reunião periódica de bruxas, magos ou necromantes em florestas escuras, cavernas escondidas,ruínas abandonadas ou locais santificados, como a igreja de Blokula, na Suécia. Na Europa os iniciados celebram a sua devoção aos demônios dançando na escuridão, invocando o Diabo, sacrificando animais e participando de orgias sexuais. Em hebraico, Chabbath, em francês, Sabbat, a palavra é usada para designar a reunião de bruxas porque se acreditava que a magia tinha relação com os judeus. Alguns desses encontros no passado, tinham data certa, sendo que em algumas regiões eram realizados a 2 de fevereiro, a primeiro de maio, primeiro de agosto e primeiro de outubro. Essas datas lembram a divisão céltica do ano, que começava a primeiro de maio e primeiro de novembro. Atualmente, o primeiro sabá das bruxas é marcado de forma a coincidir com o solstício do verão e do equinócio de outono. No livro Wilchcraft, publicado em 1965, Justine Glass afirma que as bruxas modernas fazem suas reuniões alegremente: falam e rien muito, celebram seus rituais, comem bolos e bebem vinho.

Sabellicus, Georgius.  Mago do século XV. Ainda que geralmente visto como charlatão, dizia-se "um segundo Fausto, a mola e centro da arte da necromancia, um astrólogo, um mago, um perfeito quiromante, conhecedor da piromancia e hidromancia como nenhum outro".

Safed.  Cidade de Israel. No século XVI, ali floresceu uma escola de cabala, que desapareceu quando a cidade foi destruída por um terremoto em 1837.

Saga.  De acordo com Jules Michelet (1798 -1874), Saga, Mulher Sábia, ou ainda Bella Donna, foi médica de pés durante séculos na Europa. Usava plantas para curar e, se o tratamento falhava, era considerada bruxa. Era tida também como noiva do Diabo, "a senhora da encarnação do mal".

Sagitário.  Na astrologia, o arqueiro, Nono sígno do zodíaco. Representa os elementos corpóreos e espirituais do homem. Esotéricamente, é o poder organizador da mente, Cabalisticamente, significa as coxas do velho homem dos céus. Representa também estabilidade e autoridade.

Sagradas, Palavras.  O Malleus Maleficarum, de Jacob Sprengerb e Heinrich Kramer, advoga o uso de palavras sagradas para proteger a pessoa contra o ataque de bruxos. A melhor proteção para locais, pessoas e animais são as palavras Iesus Nazarenus Rex Iudaeforum, escritas de maneira a formar uma cruz, em quatro lugares. A isso deve ser adicionado o nome da virgem, dos evangelistas ou as palavras de São João: "O verbo se fez carne". (1.14).

*** Sagrado Cogumelo. *** FIGURA ***  Planta alucinógena usada para curar, para fins de bruxaria e para levar a estados de êxtase. Os índios americanos, séculos antes da chegada do homem branco ao continente, usavam largamente os cogumelos sagrados e outras plantas alucinógenas. Don Juan, figura chave dos livros de Carlos Castañeda, fala do uso do cogumelo sagrado para a aquisição do conhecimento.

Saint-Germain.  Ocultista francês do século XVIII. Ligado à corte de Luís XV, afirmava ter duzentos anos, escrever e entender várias línguas orientais e ocidentais e conhecer o segredo da invisibilidade. Escrever um livro de ocultismo, A Mais Sagrada Tripla Filosofia. De origem misteriosa, afirmava ter conhecido Cristo e os apóstolos. Afirmava, ainda, ter conhecimentos de alquimia e poder transmudar metais e criar diamantes de carbono puro. Viajou pela França, Inglaterra e Russia, antes de viver em Schleswig, na Alemanha Ocidental, onde praticou magia ao lado do Príncipe Karl de Heine. Morreu, aproximadamente, em 1784.

Sal.  Na magia, o sal é usado para repelir os demônios, pois todos eles detestam o sal. Sagrado para os deuses, o sal mantém os demônios afastados pela sugestão de que um deus pode surgir onde há sal.

Salamanca.  Cidade espanhola associada à bruxaria. De acordo com os ciganos romenos, existiu um colégio próximo a Salamanca onde os segredos da natureza, a linguagem dos animais e as artes mágicas eram ensinadas pelo próprio Diabo. Localizado entre montanhas, o colégio acomodava dez estudantes apenas de cada vez. Quando completavam o curso, cada um deles era assistido em particular pelo professor, que ensinava novos segredos.

Salem, Feiticeiras de.  Muitos livros foram escritos sobre os famosos julgamentos de bruxas que foram realizados em Salém (atualmente, Danvers, no Estado de Massachussetts, Estados Unidos, em 1692, os mais conhecidos entre os julgamentos desses gênero nos Estados Unidos.Charles Upham escreveu o livro Salém Witchcraft, em 1867 Marion Starkey Publicou,O Diabo em Massachussetts, em 1949, enquanto Arthur Miller ligou a caçada ás bruxas ao macarthismo vigente nos anos 50 nos Estados Unidos. O caso começou quando duas jovens, influênciadas provavelmente por contos africanos tornaram-se histéricas. Essa história alastrou-se até tomar proporções alarmantes,, quando mais de trezentas pessoas foram atingidas. Em 1692, 34 foram condenadas, três morreram na prisão, dezenove foram enforcadas e uma Sarah Dustin, ainda que perdoada, morreu na prisão porque não conseguiu viver novamente em liberdade .

Saliva.  Normalmente vista como fluido vital ou substância que contém o espírito .da pessoa que o reproduz.
A Saliva da pessoa é aplicada a uma imagem ou fotografia quando se deseja causar problemas à saúde do retratado.

Salomão (?- - 930 a.C).  Rei dos hebreus, tradicionalmente conhecido como um dos primeiros magos. Usava o seguinte escudo para espantar seres infernais enviados pelo rei dos demônios:
Lofaham,
Solomon,
Iyouel,
Iyosenaoui.

Salomão, Anel de.  Anel mágico usado por Salomão que permitia que ele comandasse os anjos e todas as forças da natureza.

Salomão, Espelho de.  Espelho usado em adivinhação. Feito de uma lâmina de aço super polida e brilhante levemente côncava. Sangue de pomba é usado para escrever quatro nomes na lâmina: Jeová, Eloim, Metatrofn e Adonai. Segundo o escritor ocultista Lewis Spencer, deve-se colocar "o espelho sobre o pano limpo e branco e, quando a lua nova surgir, repita a oração com a qual o anjo Anael comandava e ordenava seus companheiros". Mais tarde, "sopre ou respire sobre o espelho e chame o anjo Anael. O sinal da cruz deve então ser feito sobre o espelho por 45 dias seguidos. No fim desse período, Anael surgirá na forma de uma criança para cumprir os desejos do operador".

Salomão Pedras de.  De acordo com lendas muçulmanas, oito anjos deram ao rei Salomão uma pedra preciosa que o tronava poderoso absoluto sob os ventos. Quatro outros anjos, por sua vez, deram-lhe uma pedra que, quando colocada sobre sua cabeça, permitia que comandasse, todo criatura viva na terra ou na água. Outro anjo ainda deu-lha uma terceira pedra, que podia ser usada pelo rei para subir montanhas, secar rios ou mares e tornar a terra fértil. Finalmente uma quarta pedra lhe foi dada e essa podia controlar espíritos que habitavam entre o céu e a terra. Salomão colocou as quatro pedras em um anel e teve o controle sobre todo mundo.

Salomão selo de.  Estrela de seis pontas formada por dois triângulos que se cruzam. Simboliza o macrocosmo. Na tradição alquímica, a ordem dos elementos é representada por uma cruz ou por círculos concêntricos. Se a cruz é usada, suas pontas correspondem à quinta-essência . Se se usam os círculos concêntricos, a terra é o ponto do meio e o fogo o círculo de fora. Essa ordem natural pode também ser representada pelas partes individuais do selo. O selo inteiro em seus seis lados, simboliza a síntese dos quatro elementos e a união dos opostos.

Salomão Triângulo de.  Eliphas Lèvi escreveu sobre o triângulo de Salomão: "A palavra perfeita é tríade, porque supõe um princípio inteligente, um princípio que fala e outro que é dito. O absoluto revelado pela palavra dota essa palavra com um sentido equivalente a ele mesmo, e no entendimento cria seu terceiro sentido." " O dogma da magia é também " um em três e três em um. O que está acima é o que está abaixo. A tríade é o dogma universal. Na magia: princípio, realização, adaptação: Na alquimia: Azoto, incorporação, transmutação. Na teologia: Deus, encarnação, redenção. Na alma humana: Pensamento, amor, ação. Na família: pai, mãe e filho. A tríade é o fim e suprema expressão do amor. Buscamos uns aos outros como dois para no fim nos tornarmos três.

Salomão, Trono de.  Lendas dizem que os demônios esconderam manuais mágicos sob o trono de Salomão. Ver mágicos, manuais.

Samhain.  Associado com um dos quatro sabás celebrados pelas bruxas, o Samhain, realizado a primeiro de novembro, era o início do inverno celta. Coincidia com a festa dos mortos, com vários rituais de colheita. Nessa ocasião, os vivos aproximavam-se dos mortos.

Sanders, Alex.  Líder da bruxaria britânica. Sua biografia, intitulada Rei dos Bruxos, foi escrita por June Johns.

Sangue.  Desde tempos imemoriais o sangue é visto como um agente vital e figura em rituais de sacrifício. Nos tempos paleolíticos, figurava proeminentemente nos sacrifícios. O corpo do morto era colocado em covas contendo pedras vermelhas, cujo o intuito era prover o morto com um substituto para o agente vitalizador. Os gregos, por sua vez, despejavam sangue nos túmulos para reviver o espírito dos mortos. Em certas religiões, como o mitraísimo o batismo de sangue era usado para purificar tanto o corpo como a alma. Os demônios, diz-se, adoram sangue.

Sanguis.  Festa do sangue celebrada em honra da deusa Frígia da fertilidade.

Santo Agostinho (354 - 430).  Bispo de Hippo, da província romana chamada Numídia, na África, que afirmou que a magia só poderia ser feita com a ajuda de demônios. Acreditava que os demônios, depois de expulsos do paraíso, passaram a vagar pelo ar, tramando a ruína do homem.

Santo Albano.  Local, na Inglaterra, onde se realizou, em 1963, um dos maiores festivais do gênero naquele país. Um dos bruxos presentes à celebração justificou sua presença dizendo: "Não somos anticristãos, Apenas temos outros meios de satisfação espiritual."

São Tiago.  Um dos apóstolos de Jesus. Patrono dos alquimistas e de todas as artes científicas e mágicas. Seu bastão simbólico é semelhantes ao de Hermes.

São Vito, Dança de.  Ainda que tenha surgido no século XIII, não tomou proporções de loucura a não ser no século seguinte. Os dançarinos da tarantela começaram a chamar a atenção mais ou menos em 1350, na Apúlia. Em 1400, a mania chegou ao Norte da Itália. Em 1430, a loucura da dança atingiu seu máximo em todo continente europeu, persistindo até o século XVI. dançarinos seminus rodopiavam grotesca e loucamente em grupos até cair exautos. Diz-se que gritavam nomes de demônios, enquanto se moviam em círculos e pisoteavam aqueles que caíam de cansaço. Podem ter sido vítimas de histeria, mas alguns estudiosos afirmam que eles realmente invocavam demônios. Também chamada de dança de São João, os dançarinos eram, na maioria das vezes, mulheres pobres, analfabetas e solitárias.

Sapo.  Há milênios o sapo vem sendo associado com bruxaria. Em 1610, um homem que estava ligado à bruxaria na Espanha afirmou que, para ser admitido na confraria, ele teve que levar um sapo à reunião. Acredita-se que o sapo pode tornar seu mestre invisível, transporta-lo a lugares distantes e transformá-lo em um animal. Feiticeiros e bruxos em geral têm grande ligação com os sapos, tratando-os como se fossem crianças, vestindo-os com mantos e roupas especiais, colocando sinos em volta do seu pescoço e batizando-os durante os sabás. Pierre Delancre afirma que o bruxo normalmente é atendido por vários demônios. Esses demônios normalmente ficam no ombro esquerdo dos bruxos, sob a forma de um sapo de duas cabeças. Charles Leland, por sua vez, diz ter sido informado pelos ciganos "que os sapos têm especial predileção pelos seres humanos. Segundo me contou uma jovem cigana, os que vivem viajando, como os próprios ciganos, conhecem mais essas criaturas. O sapo é um símbolo de fecundidade, de paixão erótica". Os árabes fizeram vários tipos de sapos de prata para serem usados por mulheres que queriam engravidar.

Sarcófago, Ritual do.  O ritual final dos antigos mistérios no Egito, Grécia e várias outras culturas. Os supremos e últimos segredos do ocultismo só podiam ser revelados para o iniciado depois que ele passasse por uma cerimônia alegórica de morte e ressurreição.

Sardou, Victorian (1831 - 1908).  Dramaturgo francês. Estudioso de ocultismo e espiritualismo, realizou várias experiências como médium.

Sator, Fórmula.  O mais famoso de todos os quadrados mágicos. Pode ser visto em paredes antiqüíssimas, vasos, e é recomendado para encontrar bruxos, extinguir fogos e vários outros propósitos. A fórmula Sator era usada em todo o mundo romano, no século II. Em Doura, no Eufrates, está pintada em um muro:
ROTAS
OPERA
TENET
AREPO
SATOR
A fórmula foi usada na Idade Média como um encantamento, em círculos mágicos e esotéricos. Sua tradução literal é praticamente desconhecida. Alguns especialistas traduziram-na assim: "o plantador está arado, arando ocupa as rodas." É possível que a Fórmula Sator seja um testemunho mudo de uma seita perseguida há milênios, que envolve criptogramas, pombas e outros símbolos hoje esquecidos.

Saturno.  É o planeta favorito dos praticantes de magia negra. Simboliza o tempo , a tristeza, a experiência. Leva 29 anos e 187 dias para completar seu ciclo. Os que nascem sobre sua influência podem esperar uma vida longa e cheia de dificuldades.

Saturno, Quadrado de.  Quadrado mágico usado para atrair a influência de Saturno. É o mais antigo dos quadrados mágicos. Saturno é o agente pelo qual Deus se manifesta na produção do universo.

Savigliano, Antonio da.  Inquisidor dominicano que conduziu vários julgamentos de bruxos entre 1387 e 1388 e levou à fogueira vários cátaros, Waldenses e pessoas ligadas à bruxaria. Sob tortura, os implicados incriminaram várias pessoas e descreveram uma seita que mistura várias doutrinas heréticas: durante o ritual, os mestres distribuíam pão consagrado para os participantes, antes que fossem sacrificados. Uma ou duas vezes por mês, os membros reuniam-se em sinagoga, onde renunciavam à sua fé e se aliavam a Satã. Ouviam sermões, bebiam, apagavam as luzes e iniciavam uma orgia sexual. Uma bruxa admitiu ter comido carne de sapo, pão e queijo e ter usado fezes humanas misturadas a cabelo para preparar bebidas servidas na sinagoga. Os membros da seita acreditavam que Satã viria ao mundo para substituir Deus.

Schwagel, Anna Maria.  Última mulher oficialmente executada por bruxaria na Alemanha. Foi morta em 11 de abril de 1775, depois de confessar que havia tido relação sexuais com o Diabo.

Scot, Michael (Cerca de 1175 - 1232).  Mago escocês. astrólogo na corte do imperador Frederico II, escreveu numerosos livros sobre o culto, necromancia, alquimia, interpretação de sonhos e adivinhação, Existem várias lendas sobre seus poderes mágicos. É mencionado por Dante na Divina Comédia.

Scott, Walter (1771 - 1832).  Novelista e poeta escocês. Pouco antes de morrer fez uma importante contribuição ao estudo do sobrenatural, escrevendo Demonologia e Bruxaria.

Secreto nome de Deus.  Especulações em torno do nome sagrado de Deus surgem em vários textos antigos. Essas tradições secretas, preservadas por círculos de iniciados, são a base da cabala. Por seu lado, a cabala usou tradições egípcias, babilônicas, sírias, gnósticas, gregas e árabes. Na idade média, vários documentos e textos foram adicionados a estas tradições, dando origem à ciência mágica ainda existente no mundo ocidental.

Secretos, Nomes.  Em muitas sociedades, as pessoas acreditam que a descoberta do nome de uma pessoa ou ser sobrenatural confere poder sobre essa pessoa ou ser. A mesma coisa em relação a nomes secretos. O nome secreto do deus egípcio Rá era conhecido apenas por Ísis. Marduk, o rei da Babilônia, tinha cinqüenta nomes secretos.

Sedução.  Um livro do século XV, escrito em iídiche e hebreu, contém a descrição de como seduzir uma mulher: "você precisa fazer uma imagem em cera da mulher, enfatizando seus órgãos sexuais. Escreva na frente e nas costas da imagem: (nome), filha de (nome do pai) e de (nome da mãe). Diga então: " Sob sua vontade. ó senhor, que (repita o nome escrito) queime de forte paixão por mim." Enterre a imagem com cuidado, tomando cuidado para não quebrá-la. Deixe por 24 horas. Desenterre-a, lave-a na água por três vezes, uma vez pelo nome do arcanjo Miguel, outra pelo nome de Gabriel e uma terceira por Rafael. Mergulhe-a em urina e depois seque. Para despertar a paixão de uma jovem, fure o coração da figura com uma agulha nova.

Sefiroth.  Dez sucessivas emanações de Deus, cada uma delas contendo parte da substância divina. Os cabalistas ensinam que Deus é o total de todas as coisas, a súmula de todas as idéias e de que o homem é um deus em miniatura. A alma pode subir na hierarquia das sefiroth e o homem pode tornar-se Deus na terra. Grupos ocultos que ensinam a teoria da quada da alma e ascenção das dez esferas falam em dez diferentes graus. No sistema de Crowley, o iniciado começa como um Neófito ( séfira dez, a terra), Zelator (9, a lua), Practicus (8, mercúrio, Phillosofus (7, Vênus), Adeptus Minor (6, o Sol),Adeptus Major (5, marte), Adeptus exemptus (4, Júpiter), Magister Templi (3, Saturno), Magus (2 esferas das estrelas) e Ipsissi (1, esfera de Deus). O Sepher Yetzirah ensina que "as inefáveis sefiroth (números de um a dez) têm dez vastas regiões por elas cobertas". Esse conceito segue a idéia pitagórica sobre a importância dos números de 1 a 10, a base de todas as coisas.Um sistema complicado de correspondência foi idealizado por Crowley. No quadro 1, uma das formas de construir pentáculos com correspondências secretas entre as dez sefiroth e os nomes divinos. No quadro 2, os diferentes anjos, os diferentes anjos, os elementos cosmológicos e parte do corpo humano.

Segredo dos Segredos.  Uma tradição afirma que o Segredo dos Segredos é um ritual cuja finalidade é estabelecer contato com os anjos a quem Deus entregou o governo do mundo: O rei Salomão tinha esse conhecimento e a lenda diz que ele transmitiu um documento sobre como entrar em contato com esses anjos. A segunda parte desse documento é uma coleção de Salmos de Davi com uma chave para sua interpretação mística e mágica. A chave explica como os salmos devem ser usado para garantir saúde, poder, honra, amor, segurança e proteção contra todos os tipos de perigos. O salmo 137, de acordo com essa chave, pode ser usado para aumentar amor de um homem ou de uma mulher. A lenda diz ainda que Salomão usou os rituais do Segredo dos Segredos para ter poder absoluto. a. Versão francesa da Chave de Salomão, publicada em 1750.

Quadro 1 - Correspondências
Sefiroth Significado Nomes Divinos
1. Kethe Coroa - Princípio dos princípios " Eu sou " Ehyeh
2. Chochmah Sabedoria - Aspecto masculino da Unidade Yah
3. Binah Inteligência Passiva, mãe YHWH Tetragrama
4. Gedullah Graça, piedade, Braço da vida El
5. Geburah Justiça, mão da morte Eloah
6. Tiphereth Beleza, coração Eloim
7. Nesakh Triunfo YHWH Shebaoth
8. Hod Glória Eloeh Shebaoth
9. Yesod Geração El-Khayy
10. Malkuth Realeza, harmonia Adonai

Senda.  Deusa esquimó que regula os mamíferos aquáticos e pune os homens pelas suas maldades.

Sepher Yetzirah.  Texto cabalístico atribuido a Adão. Conhecido em português como Livro da Criação, descreve pela primeira vez o poder mágico de combinações das letras hebraicas. O tratado cabalístico discute a criação do universo através do simbolísmo dos dez algarismos e das 22 letras do alfabeto hebreu. Juntos, os dez números e as 22 letras são chamados as 32 partes do conhecimento.

Sete.  O número sete está esotericamente associado com vários fenômenos, personalidades e conceitos. Os sete pecados capitais fazem parte da tradição cristã. A Bíblia contém várias referências ao número sete. O sétimo dia do sétimo mês era, entre os israelitas, o tempo em que a festa do sétimo dia devia começar. Fisiologicamente, existem sete órgãos internos. A antiga índia tinha sete deuses. O misterioso culto de Mitra envolvia sete pontes, sete altares. Existem sete salmos de penitência, sete sacramentos. O místico e o sagrado número está também associado com os sete dias sagrados do ano judeu. Deus descançou no sétimo dia. Lugulannemundu, o grande rei sumério, erigiu um templo com seter pontes e sete portas para a deusa Nintu na cidade de Arab, há mais de quatro mil anos. O Livro da Revelação, de São João, está repleto de simbolismos do número sete. Ptolomeu acreditava que a Lua governava o ciclo da vida e morte na Terra e que o seeta era regido pela Lua. Ocultistas afirmam que o número sete governa os ciclos e rítmos da vida. Sua característica é sabedoria e mistério.

Sete Administradores do Paraíso.  Trabalho de magia falam de sete administradores do Paraíso, através dos quais Deus comanda o mundo: Bethor, Phaleg, Och, Hagith, Ophiel, Yeadiel e Phul. Os magos usam cerimônias especias para invocar cada um desses sete Espíritos Olímpicos, já que governam duas Esféras Olímpicas, comandando 196 regiões.

Sete Pecados Capitais.  Pete Bins Fields relaciona os demônios que têm o poder de provocar as pessoas a cometer os sete pecedos capitais:Lúcifer (orgulho), Mammon (avareza), Asmodeus ( luxúria), Satã (raiva), Belzebu (glutonaria), Leviatã (inveja) e Belphegor (preguiça).

Sexo e Bruxaria.  A fusão e interdependência entre sexo e bruxaria, documentadas nos julgamentos de bruxas na Europa, eram completas no século XVI. Geralmente o sabá chegava ao climax quando as velas apagavam e os membros do culto satisfaziam seus instintos. A orgia sexual era descrita como anormal, porque nela se prativa sodomia, homosexualismo e posições consideradas pervertidas pelo pensamento comum da época. Demônios ou o próprio Diabo, depois de assumir a forma de um íncubo ou de um súcubo, atendiam as necessidades sexuais dos participantes. durante o século XV, o ritual da cópula com o Diabo tornou-se parte da orgia. Nos julgamentos de Artois, na frança, as mulheres que participavam do culto disseram ter tido relações sexuais com demônios que tomavam a forma de diferentes animais. Tanto homens como mulheres tinham relações com Satã, que se transformava também tanto em homem como mulher, quando quisesse. Em Arras, também na frança, de acordo com documentos dos tribunais madievais, os participantes de sabá confessaram que todo o corpo do Diabo, inclusive seu pênis é frio. Mas não apenas na bruxaria existe relação com o sexo: no culto dionisíaco também, assim como no budismo tântrico, entre outros.

Sexual, União.  A união sexual com o Diabo é um dos elementos essenciais da bruxaria.. Segundo Vance Randolfh, um homem que já faz parte do culto tem relações com uma mulher por três noites seguidas. O ritual ocorre à meia-noite, quando a lua está encoberta. Mulheres iniciadas no culto afirmam que esse processo " gera uma crise espiritual maior do que aquele que os cristãos chamam de conversão".

Shaddai.  Um dos nove nomes místicos usados para invocar demônios. Ao mesmo tempo, um dos nomes que constam das lendas rabínicas sobre a hierarquia angélica. Regula a esfera da Lua, causa sofrimentos e perdas e tem controle sobre os espíritos.

Shakti.  O grande poder mágico que reside em todo o indivíduo, de acordo com os ensinamentos exotéricos do hinduísmo e budismo. O poder mágico pertence ao adpto, que guarda a shakti em qualquer dos seis chacrasou lótus situados em intervalos ao longo da coluna. O Yoga Vasishtha, uma antiga obra hindú, contém uma descrição clássica do despertar do shakti, visualizada como uma serpente adormecida e enrolada na base das espinha: " Cheia de prana, a kundalini se arremessa para cima. Ela então torna-se dura e ereta, como um pedaço de pau ou uma serpente agressiva. Se os vários orifícios físicos estiverem fechados, o corpo se enche de prana e experimenta mudanças fundamentais em seus componentes físicos e psíquicos

Sheila - Na - Gic.  Termo de origem desconhecida que representa o princípio feminino ou da fertilidade. Figuras que simbolizam a Grande Mãe apresentam mulheres sentadas de forma a chamar a atenção para seus órgãos sexuais. Algumas autoridades interpretam sua presença em igrejas da Inglaterra, como em Whittelsford e Cambs, por exemplo, uma prova de coexistência, durante séculos, do paganísmo e do cristianísmo.

Shiva.  Em muitos pontos da Índia, Shiva é visto como o princípio masculino, o linga ou falo. Mahadevi é o princípio oposto, feminino, a yoni.

Shri Yantra.  Representação da Grande Mãe conduzida pela luz astral, segundo crença da Índia Antiga Os hindus a viam como um modelo de triângulos entrelaçados.

Sibilinos, Livros.  Manuscritos sobre os segredos do destino humano. Os livros sibilinos foram atribuídos às sibilas ou profetisas do mundo antigo. Tácito afirma que foram deixados no templo de Júpiter, no Capitólio, em Roma, e levados mais tarde para o templo de Apolo. O que ocorreu depois não é muito claro. Existem oito livros em grego e latim, que são o que restou dos livros sibilinos. Eles contém predições sobre o futuro do homem, escritos em termos misteriósos e simbólicos.

Sibíllia.  Bruxa, para os italianos. O julgamento de bruxas na Itália foi iniciado em Milão, a 30 de abril de 1384. A primeira mulher a ser julgada foi acusada de comer todo tipo de animais.

Sideral, Corpo.  O espírito ou alma, comumente descrito como radiante e imortal. Ele se liberta quando a morte chega.

Signora.  No início do século XVI, as bruxas italianas eram presididas pela Signora, a senhora, que usava um manto de ouro durante o sabá.

Signo.  Uma das práticas básicas da magia é a doutrina dos signos ou a lei da correspondência. Os magos acreditam que as caracteríticas externas têm relação com qualidades internas e que sinais externos podem levar a descobrir tudo que é interno e invisível. Em um encantamento que contém o nome de Deus, a luz astrál invoca uma figura que tem a natureza do deus invocado. Escudos mágicos, Yantras e mandalas devem sua origem à doutrina dos signos. Místicos hindus vêem o sinal da Grande Mãe na forma de um Triângulo chamado Shri Yantra. Um sinal da divindade testemunha o sinal do microcosmo sua representação transmitida pela luz astrál. Tudo que existe seja animal, mineral ou vegetal, testemunha o sinal do microcosmo e do macrocosmo. Uma lei oculta de correspondências governa a criação e a operação do universo. Essa lei opera na base da analogia, seja na causa ou no efeito.

Silêncio.  Nos julgamentos europeus sobre feitiçaria, a habilidade do acusado em permanecer em silêncio era interpretada como sinal de culpa.

Silvestre II ( ? - 1003).  Papa acusado de ser um feiticeiro. Segundo as lendas, estudou magia na escola de Córdoba, Espanha. Lá conheceu o árabe e diz-se que foi o primeiro homem ocidental a trabalhar com os arábicos na Europa. Diz-se também que pediu ajuda do demônio para chagar ao papado. Diz o escultor ocultista inglês Lewis Spence: "Ele foi um dos homens mais sábios do seu tempo, conhecedor da matemática, astronomia, mecânica. Introduziu os relógios e alguns autores creditam a ele a invenção da aritmética como hoje a conhecemos. Não é improvável que seu conhecimento tenha surgido através da magia. Foi também com a ajuda da bruxaria que ele, se diz, descobriu tesouros enterrados e visitou um maravilhoso palácio subterrâneo. Seu túmulo também tem poderes: diz-se dele saem lágrimas quando um papa se aproxima da morte."

Simão, O Mágico.  É mencionado na Bíblia e freqüentemente lembrado pelos autores cristãos dos primeiros séculos. Um bruxo convertido ao cristianismo, cuja companheira, Helena, caiu sob o poder dos anjos do mal e ocupou, sucessivamente, um número de corpos mortais, incluindo o de Helena de Tróia. Simão promulgou uma doutrina na qual ele é o primeiro Aeon ou Emanação, a primeira manisfestação da deidade, a palavra, o onipotente.

Simbolismo.  A relação do símbolo com e que ele desígna recai sobre a significação e não sobre a aparência. Por isso quando se trata de esoterísmo, de certas religiões e seitas iniciáticas, o símbolo se recusa e quem não aceitou desde logo esse caminho para o conhecimento. Assim, sob um aspecto, o símbolo dissimula, e sob outro, revela. "É no e através do símbolo que o homem, consciente ou inconscientemente, vive, trabalha e é um ser", diz Thomas Carlyle, ensaísta do século XIX. Suas palavras podem ser aplicadas à magia em todas as suas formas. Sob a influência de Freud, C. J. Jung e seus sucessores, o estudo dos símbolos e mitos revelou grande semelhança entre o seu conteúdo e o inconsciente.

Sinistrari, Ludovico Maria (1622 - 1701).  Domonoligista italiano. Professor de Teologia na Universidade de Pádua e autor de Sobre Demonologia, descoberto em 1875. Concentrou-se nos problemas que surgem nas relações entre demônios e seres humanos.

Sino.  O som dos sinos força dos demônios a abandonar os corpos dos feiticeiros que procuram no sabá. Os recursos usados pela Igreja para excomungar os heréticos são citados na frase " malditos pelo sino, pelo livro e pela vela".

Sistema de Correspodências.  Ver Correspodências.

Sisto V (1520 - 1590).  Um dos muitos papas ligados à feitiçaria. Foi acusado de fazer um pacto com o Diabo para com isso chegar a cadeira de Pedro, onde ficou de (1585 - 1590).

Sítios Assombrados.  Na Irlanda e nas casas de campo da Inglaterra, em fazendas abandonados e antigas cidades européias, o fantasma está presente. A aparição surge de várias formas, como ectoplasma ou sombra. Algumas vezes apenas sua voz é audível, seja em grunhidos ou lamentações. Normalmente, surge à noite. Apesar de várias tentativas, não foi possível provar em definitivo a não-existência dessas aparições e persiste a questão sobre os motivos que trazem tais espíritos a esses locais.

Smaragdine, Tábua.  Trabalho de alquimia publicado no século XVI e atribuído a Hermes Trismegisto. Condensa toda energia em apenas uma página. Certos maçons e cabalistas afirmam que essa tábua foi encontrada pela mulher de Abraão no corpo de Hermes.

Smith, John (1602 - ? ).  Conhecido por "Garoto de Leicester". Em 1607, aos cinco anos de idade, acusou várias mulheres de feitiço. Mais tarde, em 1616, levou mais nove pessoas à forca. Foi, finalmente, preso por James VI, rei da Escócia.

Sociedade pela Reparação das Almas.  Seita oculta fundada na França, em 1859. Era centrada na magia sexual. Em pelo menos uma ocasião, foi praticado um ritual de sacrifício.

Sociedade de Pesquisas Psiquícas.  Os fenômenos associados à clarividência, premonição, telepatia e práticas similares são conhecidos desde à pré-história. A pesquisa desses fenômenos, no entanto, só foi iniciada no século passado. Em 1882, a Sociedade de Pesquisas Psíquicas surgiu na Inglaterra. em 1885, surgiu uma sociedade similar nos Estados Unidos, dissolvida em 1905. Um ano antes havia surgido, também na América, o Instituto Americano de Pesquisas Ciêntíficas, mais tarde chamada Sociedade Americana para Pesquisas Psíquicas. Sociedade similares se estabeleceram em outros países, especialmente na França, em 1620.

Solar, Influência do Sistema.  Em astrologia, em casos externos, os corpos do sistema solar exercem as seguites influências: vida pública. Mercúrio: comércio. Vênus: atividades sociais. Marte: armas de guerra. Júpiter: prosperidade material.
Saturno: miséria, pobreza. Urano: poder, autoridade. Netuno: movimentos populares. Plutão: organizações idealistas.

Sofisticação.  União mística com o poder do sol. Era uma das metas do mitraísmo.

Sommers, William.  Mais conhecido como " Menino de Notthingham", ficou famoso através do primeiro exorcista inglês, John Darrell. Em 1597, Darrell foi chamado para exorcizar Sommers. Um incidente seguiu-se a outro e Sommers acabou acusando várias pessoas de bruxaria. Sommers, no fim, admitiu ter mentido.

Sonho.  Para os antigos , expecialment os gregos, o sonho era uma ligação entre o estado atual e o futuro. Os sonhos eram vistos como uma espécie de predição do futuro e então interpretados. Um famoso livro dos sonhos, que incluía interpretações, foi escrito por Artemidoro, que viveu no século II. Na literatura bíblica, os sonhos eram o mesmo que prognósticos. Para Xenofonte, ler os sonhos era uma forma de adivinhação. Para Freud, o sonho sempre tem relação com um desejo.

Sortilégio.  Bruxu françês que invocou dois demônios, Avarus e Superbus. Foi queimado em 1737.

Soulis, William.  Nobre escocês do século XIV, conhecia e professava o satanísmo e acredita-se que tenha feito sacrifícios humanos. Conhecido como Lord Negro do Hermitage, diz-se também que fez um pacto com o Diabo.

Spare, Austin Osman (1886 - 1956).  Artista e membro da ordem da Gold Dawn (Aurora Dourada). Usava pinturas simbólicas para invocar forças da natureza. Afirmava que podia mover um peso sobre-humano através da visualização de uma imagem desse peso. morreu na Inglaterra, miserável e esquecido.

Spence, Lewis.  Escritor Inglês e popularizador do oculto. Seu principal trabalho, Uma Enciclopédia do Ocultismo, foi publicado em 1920.

Spina, Alfonso de.  Teólogo espanhol do século XV. Foi o autor do primeiro livro sobre bruxaria publicado em Estrasburgo, França. Acreditava na existência de dez tipos de demônios.

Spina, Bartolomeo.  Teólogo e autor de Sobre as Bruxas, Publicado em 1523. Advogava a evidência expectral para descobrir magos e expressava sua convicção nas relações sexuais com demônios e na metamorfose.

Staus, Poltergeist de.  Entre 1860 e 1862, nas margens do lago Lucerna, na vila de Staus, na Suíça, uma série de poltergeist ocorreu na casa de M. Joller, advogado e membro do conselho nacional suíço. Finalmente, o poltergeister começou a perseguir o próprio dono da casa e eram ouvidas palavras estranhas. O tumulto foi assistido por várias vezes pela população da vila e só cessou quando Joller e sua família mudaram-se dali.

Stevenote de Audebert.  Bruxa francesa. No seu julgamento, em 1616, ela confessou Ter feito um pacto com o Diabo.

Stigmati Diaboli.  Marcas deixadas pelo Diabo. Sua marca ou selo (Sigillum diaboli) foi freqüentemente confundido com a marca de bruxas.

Stonehenge.  Ruínas megalíticas na Inglaterra. Eric Newman, discípulo de C. J. Jung, em seu livro A Grande Mãe: Uma exploração do Arquétipo, vê o trilítero (duas pedras colocadas lado a lado, com uma deitada sobre elas), um monumento comum desde à pré-história, como um símbolo da Grande Mãe, ou ventre, dando à luz, a cada ano, o deus morto. Erich Von Deniken é da opinião que Stonehenge é uma evidência da presença na terra de extraterrestres que viveram entre os habitantes deste planeta para instruir nossos antepassados nas ciências e nas artes.

Strix.  Designação medieval para bruxa. A palavra está associada etimologicamente com "guincho de coruja". Acreditava-se que a strix sugava o sangue das crianças.

Suástica.  Símbolo em forma de cruz, surgido na Idade do Bronze, sob várias formas, na Europa e Ásia. Deriva da palavra sãnscrita que significa propriedade e foi usada por várias religiões antigas, na Índia, China e Japão, por tribos indígenas na América Central, do Sul e do Norte. Como talismã da sorte a quem a usa.

Súcubo.  Espírito do mal que toma a forma de mulher com o propósito de Ter relações sexuais com um homem.

Summis Desiderantes.  Bula papal, promulgada por Inocêncio VIII a 5 de dezembro de 1484, contendo a teoria da magia e da demonologia. Ordenava a Kramer e Sprenger, dois inquisidores da Ordem dos Frades Pregadores, que procedessem com firmeza na supressão dos heréticos.

Superstição.  Embora definida como crença ou prática irracional que atribui características sagradas a fatos ou acontecimentos distruídos de qualquer transcendência, ocultistas modernos afirmam que há um fundo de verdade em toda superstição. Como escreveu Eliphas Lévi, "as superstições são instintivas, e tudo o que é intuído é infundado na natureza das coisas. Os céticos de todos os tempos sempre pagaram pelo descuido em relação a isso".

Suplicante.  Em magia suplicante deseja a fusão momentânea da consciência individual com a suprema consciência. Suplicar, pedir a ajuda das forças sobrenaturais é, antes de tudo, uma cerimônia, mas no ritual mágico não deve ser apenas um movimento mecânico habitual dos lábios: é um ato que envolve vontade e mente. Antes de fazer seus pedidos, o mago precisa Ter guardado jejum por pelo menos três horas. Deve meditar por cinco minutos, depois de respirar profunda e calmamente por três vezes. É necessário, então, que se curve em direção aos quatro pontos cardeais, começando pelo leste, invocando cada um dos espíritos ou anjos desse pontos. Após completar o ciclo, deve meditar por mais três minutos, voltar-se par o leste e orar, com os braços estendidos, as palmas para cima.

Surin, Jean-Joseph.  Exorcista do século XVII. Foi chamado par exorcizar as famosas freiras Ursulinas, de Loudun, França. Teve sucesso no convento, mas foi possuído pelos demônios, que inferiorizam sua vida durante vinte anos

Swedenborg, Emanuel (1688 - 1772).  Um dos grandes místicos de todos os tempos, provavelmente mais influenciado pela teosofia do que qualquer outra filosofia. Astrônomo, matemático, psicólogo, naturalista, filósofo, teve a consideração de seus contemporâneos. O escritor ocultista inglês Lewis Spence escreveu que "aos 55 anos houve uma profunda mudança no caráter de Swedenborg. Até aí havia sido cientista, legislador e um homem de ação. Nesse momento começou a entrar na região de coisas espirituais, que o levaram a se separar inteiramente das práticas materiais. Sua entrada no mundo espiritual, sua iluminação, começou com sonhos e visões extraordinárias. Swedenborg dizia Ter ouvido conversas maravilhosas que o levaram a criar uma nova igreja. Disse que seu espírito estava tão aberto que podia ver céus e infernos, conversar com anjos e espíritos. Em seu trabalho Céu e Inferno, fala sobre influência e reciprocidade - correspondências. Pela correspondência, o homem pode comunicar-se com o céu e com os anjos, se possui a ciência dessas leis.

Voltar Subir